Revolução Sandinista

Publicado em 15/08/2011 por

1


Nicaragua, 1981, Juca Martins

Nicaragua, 1981, Juca Martins

Milhares de jovens guerrilheiros chegaram a Manágua em julho de 1979, apoiados pela maioria da população nicaraguense que sonhava com democracia, igualdade e justiça social, depois de 45 anos de ditadura da família Somoza. A Revolução Sandinista, que recebeu um forte apoio no mundo inteiro, prometia ajudar os mais pobres, dando-lhes terra, trabalho, educação, moradia e saúde. O novo governo Sandinista se propunha a fazer uma reforma agrária e urbana da proipriedade, a cruzada pela alfabetização, e a diminuição da mortalidadede infantil.

Desde a vitória da revolução, nós da Agencia F4 sempre tivemos como uma de nossas pautas acompanhar a aplicação desse processo de transformação. A primeira viagem foi feita por mim em 1981 para cobrir o segundo ano da Revolução Sandinista e acompanhar a implantação das reformas sociais. Já se iniciava no país o processo contra revolucionário através de ações de setores descontentes com as reformas feitas pelo governo.

Nicaragua, 1983, Cynthia Brito

Nicaragua, 1983, Cynthia Brito

Em 1983, Cynthia Brito foi à Nicaragua para continuar a documentação fotográfica do processo revolucionario nicaraguense, quando o pais já vivia internamente uma guerra civil. A economia começou a entrar em colapso, e a guerra civil a dizimar a juventude do pais.

Todos esse fatores de descontentamento interno levaram à derrota eleitoral da Revolução em 1990, e colocaram no poder a filosofia de livre mercado e da privatização, que também não resolveu o problema da Nicaragua. Trinta e dois anos depois da revolução, 70% da população continua a viver na pobreza e sofre com a fome e o desemprego.

Sobre o autor

Juca Martins é fotógrafo profissional especializado em fotojornalismo e documentação.Participação em exposições no Brasil e no exterior. Premio Esso de Fotografia e Premio Vladimir Herzog de Direitos Humanos. Atualmente é editor e fotografo da Agencia Olhar Imagem.